Ao abrir-se uma ténue oportunidade de a esquerda anti-troikista se revelar alternativa de poder, ressurge uma velha doença do movimento comunista internacional

Não é preciso grande ginástica mental para se perceber que o Syriza não vai conseguir formar governo. No entanto, queria apenas partilhar aqui os cinco pontos que lhe poderiam ter servido de base programática:

1) Imediato cancelamento de todas as medidas vigentes de empobrecimento, como cortes nas pensões e salários;

2) Cancelamento de todas as medidas vigentes que vão contra os direitos fundamentais dos trabalhadores, como a abolição dos contractos colectivos de trabalho;

3) Abolição imediata da lei garantindo imunidade aos deputados e reforma da lei eleitoral (principalmente a questão dos 50 deputados bónus para o partido vencedor);

4) Investigação aos bancos gregos e imediata publicação da auditoria feita ao sector bancário pela BlackRock;

5) Uma comissão de auditoria internacional para investigar as causas do défice público da Grécia, com uma moratória em todo o serviço de dívida até serem publicados os resultados da auditoria.

Eu opinaria pela nacionalização da banca privada, ao invés de uma mera investigação, e gostaria de saber, concretamente, no que consiste e quem formaria essa “comissão internacional de auditoria” à dívida.

De resto, penso estar perante uma excelente base de trabalho. Continuo a não perceber o sectarismo dos camaradas do KKE, mas custa-me a acreditar que, cem anos depois de Lenin, uma velha enfermidade continua a afectar determinados sectores do movimento comunista internacional.

[Edit]: Segundo fui informado (ver caixa de comentários), o ponto 4) deveria se traduzir como “Controlo público dos bancos”. Caso isto se materializasse num escrutínio geral à actividade do sector bancário e respectiva nacionalização, mais um factor a favor da pontaria política deste programa. Só assim o Estado grego se veria livre da sua dependência da usura alemã.

6 thoughts on “Ao abrir-se uma ténue oportunidade de a esquerda anti-troikista se revelar alternativa de poder, ressurge uma velha doença do movimento comunista internacional

  1. Parece um erro de tradução. O texto original do Syriza fala em “Controlo publico da banca”. Quando ao KKE, esperemos para ver. Até porque ainda não vi discutida uma questão. O Syriza compromete-se a manter esse programa se isso implicar abandonar o projecto europeu?

  2. Ora aí está uma de muitas questões que deveriam ter sido debatidas entre o Syriza e o KKE, se este não tivesse recusado uma reunião entre os dois. É de louvar o facto de o KKE ter tanta cautela no que implica o seu programa relativamente à UE, mas, ao enveredar por esta deriva ultra-esquerdista, denuncia uma falta de flexibilidade e capacidade de adaptação às várias formas e etapas da luta de classes, características que deveriam ser apanágio de todos os partidos comunistas, de acordo com a obra linkada de Lenin. Por outro lado, põe em causa uma possibilidade de alterar por completo a relação de forças, que talvez permitisse aos trabalhadores passar à ofensiva e, aí sim, aquilatar o valor e utilidade da permanência numa estrutura capitalista supra-nacional, como a UE.

    Temo que este desnorteio irá custar caro ao KKE, pois, a realizarem-se novas eleições, um cenário que me parece mais do que provável, muitos dos seus votos irão transferir-se para o Syriza ou, “god forbid”, para a extrema-direita. Isto pode custar muito caro aos trabalhadores gregos. Enfim, mantenhamo-nos atentos.

  3. Pingback: Sobre a radicalidade do KKE « Fala Ferreira

  4. Pingback: A memória pariu um rato? | cinco dias

  5. Pingback: Ainda sobre a Grécia e a política de alianças à esquerda | Sentidos Distintos

  6. Pingback: Sondagens na Grécia | Sentidos Distintos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s