>A História Repete-se?

>Há outros que já escreveram (melhor) sobre o que se passa hoje em dia. Desafio-vos a dizer a que período do século XX se referem os seguintes excertos:

«A história da economia mundial desde a Revolução Industrial fora de acelerado progresso técnico, de crescimento económico contínuo mas irregular e de crescente “globalização”, ou seja, de uma divisão mundial cada vez mais elaborada e complexa de trabalho.

«(…) Um impressionante e crescente desequilíbrio na economia internacional, devido à assimetria de desenvolvimento entre os EUA e o resto do mundo.

«O que tornava a economia tão mais vulnerável a esse boom de crédito era que os consumidores não usavam os seus empréstimos para comprar os bens de consumo tradicionais, que mantêm corpo e alma juntos, e têm portanto muito pouca variação (…) os consumidores compravam os bens supérfluos da sociedade de consumo moderna em que os EUA, mesmo então, já estavam a entrar.

«Economistas que aconselhavam que se deixasse a economia em paz, governos cujo primeiro-ministro, além de proteger o padrão-ouro com políticas deflacionistas, era apegar-se à ortodoxia financeira, aos equilíbrios de orçamento e à redução de despesas, visivelmente não tornavam melhor a situação

Eis a solução:

«Aqueles de nós que viveram os anos da GRande Depressão ainda acham quase impossível compreender como é que as ortodoxias financeiras do puro mercado livre, na época tão completamente desacreditadas, vieram mais uma vez a presidir a um período global de Depressão em fins de 80 e 90, que, mais uma vez, foram igualmente incapazes de entender ou resolver. Mesmo assim, esse estranho fenómeno deve lembrar-nos a grande característica da história que ele exemplifica: a incrível memória curta dos economisas teóricos e práticos.

«O que era uma “economia de mercado livre” numa época em que economia era cada vez mais dominada por imensas corporações que tornavam absurdo o termo “competição perfeita”?

«O fortalecimento da direita radical foi reforçado, pelo mesmo durante o pior período da Depressão, pelos espectaculares reveses da esquerda revolucionária. (…) O resultado imediato da Depressão, pelo menos na Europa, foi exactamente o oposto do que os revolucionários sociais tinham esperado.

«Provavelmente nada demonstra mais a globalidade da Grande Depressão e a gravidade do seu impacte do que essa rápida visão panorâmica dos levantamentos políticos praticamente universais que ela produziu num períodos medido em meses ou em anos isolados

Eric Hobsbawm, A Era dos Extremos – História Breve do Século XX (1914-1991)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s