>Divagações à volta da NATO, da ONU e a intervenção militar na Líbia.

>

Muita tinta tem corrido, nos últimos dias, acerca da resolução relativa à questão líbia, aprovada no parlamento europeu. A atenção direcciona-se não tanto para o conteúdo da resolução no seu conjunto, mas sim para um determinado parágrafo (o nº 10) o qual prevê uma zona de exclusão aérea (i.e., intervenção militar) na Líbia, sob o mandato do Conselho de Segurança da ONU (CSONU), em coordenação com a Liga Árabe e a União Africana. Refira-se que o referido parágrafo, ainda que não mencione explicitamente a NATO, não fecha portas à sua colaboração, ou mesmo direcção das acções militares, desde que sob o aval do CSONU.

O famigerado parágrafo 10 mereceu tanta atenção devido a um simples motivo: pelo que parece, os três deputados do BE contribuíram para a redacção da totalidade da resolução e inclusive um deles, Rui Tavares, votou favoravelmente à intervenção militar ocidental na Líbia, numa clara quebra do programa do partido que o elegeu para o parlamento europeu.

Da minha parte, sinceramente, não quero acreditar que Miguel Portas e Marisa Matias (não digo o mesmo de Rui Tavares, porque sinceramente não conheço o seu programa político e parece notório que se está a borrifar para o do BE) defendam uma intervenção da NATO na Líbia. A bem da verdade, não penso que assim seja. A caracterização que as alas reformistas do BE fazem da NATO coincide, no essencial, com a das alas esquerdistas. Ou seja, a intervenção de um bloco militar imperialista na revolução líbia seria uma ingerência, um avanço político de uma instituição cuja dissolução seria um grande favor à paz no mundo. Desta forma, o principal erro dos deputados bloquistas é o seu tique, tipicamente parlamentarista, de não ver o efeito das resoluções para além do seu texto. De facto, a NATO não é, em altura alguma, nomeada no texto do parágrafo 10 mas, demasiadas vezes, o que não está escrito revela-se a verdadeira essência de uma resolução política.

Em relação á NATO, estamos conversados. No entanto, nem toda esta discussão foi infrutífera. Numa resposta às críticas de Renato Teixeira e de outros escribas do blogue 5dias, Miguel Portas e Marisa Matias terminam com o essencial: ainda que se oponham à intervenção da NATO, clarificam os deputados que não fecham a porta a uma intervenção da ONU. Nem vou gastar muito tempo a bater nesta tecla, pois as conclusões seriam as mesmas de sempre. Grande parte da esquerda continua a caracterizar a ONU como uma enorme instituição inter-estadual, politicamente neutra, supra-classista e, em última análise, portadora de uma feição humanista e humanitária. Ora, tal descrição, quase que metafísica, não podia estar mais errada. A ONU é parte do inimigo que a população líbia em armas agora combate. A ONU é uma das faces, porventura a mais mascarada, do imperialismo ocidental, o mesmo que suportou Kadhafi no poder durante décadas. O mesmo imperialismo que agora se permite a chorar umas lagrimitas de crocodilo sobre as vítimas do louco líbio, apenas porque vê as remessas de petróleo a encarecer. A ONU tem uma carácter de classe, pois é constituida por estados burgueses, e é dominada por uma cúpula formada pelas potências ocidentais, estruturas políticas da burguesia imperialista europeia e norte-americana. Ou passarão os estados a ser supra-classistas e politicamente neutros assim que entram nos corredores do edifício da ONU? Ao escrever estas linhas, não deixo de recordar a intervenção desta organização no Libano, em 2006: enquanto o seu “afilhado” sionista atacava sanguinariamente o seu país vizinho, a ONU não demonstrou a mínima preocupação. A partir do momento em que o Hezbollah tomou a dianteira, aí vai a ONU, em defesa abnegada dos ideais de uma humanidade pacífica! Isto é, foi lá acabar com regabofe e salvar Israel de um merecido par de chapadas…

E que dizer sobre a “democraticidade” de um orgão como o CSONU, constituído pelas cinco maiores potências mundiais (estados como a China, a Rússia ou os EUA, cujas preocupações humanitárias são sobejamente conhecidas!) que, além ocuparem permanentemente o posto de membro do CSONU, dominam a estrutura politicamente e possuem o irrevogável direito de veto?

Conquanto dirigida por uma estrutura com marcadas diferenças em relação à NATO, uma intervenção militar da ONU seria um avanço do imperialismo, que almeja garantir a posse das riquezas da Líbia e empurrar para o poder mais um governo submisso às necessidades energéticas do ocidente. Uma intervenção da ONU seria um desvirtuar da luta dos líbios, seria uma derrota, de facto, da progressividade inerente à revolução líbia. A revolução metamorfosear-se-ia em mais uma criminosa guerra do petróleo.

Os estados ocidentais estão assim tão preocupados com o destino do povo líbio? Ele não precisa da vossa tutela, enviem-lhe armas, preservando a sua soberania política e ele fará o resto. O povo, com um stock de armamento limitado e precário, conseguiu ocupar metade do país, e só começa a fraquejar agora porque o armamento disponível não lhe permite mais. Porque não pode o estado português, por exemplo, enviar algumas das armas nas quais os sucessivos governos gastam uma fatia do orçamento, para ajudar o povo líbio na sua demanda, preservando de forma inequívoca a sua independência política?


Nota: Estas divagações foram tecladas poucas horas antes da aprovação, pelo CSONU, de uma intervenção militar na Líbia. De qualquer forma, assumo que tanto o meu raciocínio como as minhas conclusões não se encontram desactualizadas, pelo que não desisti de a publicar. O BE, por seu lado, no seu site oficial, escamoteia o voto favorável de um seu deputado à dita intervenção militar, numa demonstração adicional de oportunismo político e de falta de ética que, infelizmente, começa a ser regra num partido que se diz anti-capitalista e anti-imperialista.

2 thoughts on “>Divagações à volta da NATO, da ONU e a intervenção militar na Líbia.

  1. >Não vejo que possa haver uma moção intervencionista e não intervencionista ao mesmo tempo. Acredito, como tu, nas boas intenções dos dois deputados do BE, mas de boas intenções…Renato T.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s