>Algumas notas sobre a revolução egípcia

>

Mubarak caiu. Um passo importante foi dado no Egipto. A altura é de alegria e de festa, não só para os revolucionários egípcios, mas para todos que sonham com uma terra sem amos, patrões e chefes supremos.

O primeiro impulso para muitos foi gritar “vitória”, enquanto outros proclamam a demissão de Mubarak como o desfecho da revolução, e o ponto de partida para a “transição”. Percebo os primeiros, que impulsivamente confundem a partida com a meta, e certamente compreendo os segundos, entre eles, os líderes europeus e norte -americanos, que temem as consequências do poder revolucionário popular.

A revolução não termina com a demissão de Mubarak, é agora que ela se inicia. Várias tarefas democráticas levantam-se: primeiro, livrar-se de todos os vestígios do regime, ao nível do poder político, económico e militar. Mubarak, Suleiman e respectivos compinchas devem ser julgados e condenados, e as reivindicações nesse sentido já se iniciaram, elevando o tom do protesto. Segundo, os militares não devem continuar a exercer o poder. Eles foram o principal sustentáculo do regime, e não prevejo que o seu carácter e metodologia se altere de um dia para o outro. Certamente que haverá sectores progressistas nas forças armadas, mas nesse caso, deveriam-se organizar independentemente dos oficiais, a maioria deles provavelmente ligados de alguma maneira ao regime moribundo. O papel do exército e da polícia na sustentação do regime de Mubarak não deve, no entanto, ser escamoteado. Em Portugal, confiar no MFA como representante supra-classista dos anseios populares foi um erro que levou irremediavelmente ao golpe de 25 de Novembro.

Terceiro, e ainda no campo da revolução democrática nacional, deve-se garantir a autodeterminação política do país, isto é, golpear o imperialismo ocidental, e sua vertente sionista, na região. O regime de Mubarak era respeitado e protegido tanto pelos EUA como pela EU, que usavam os recursos do país, resignado a uma elite dominante, segundo as suas necessidades geo-estratégicas e militares. Agora, depois de se aperceberem da queda iminente do regime apodrecido, a palavra “democracia” voltou aos seus discursos. Afastam os olhos de Mubarak, começam a falar em “não-violência”, e tornam o olhar para o exército e para os sectores “democratas”, como El Baradei. Também este, o “Spínola” egípcio, deve ser derrotado. Derrotar o regime de Mubarak exige também a derrota do imperialismo e do sionismo, fenómeno central para o futuro da região.

E a partir daqui é que as coisas se tornam espinhosas. As reivindicações económico-sociais, reais motores da revolução, irão emergir, e desaparecerá a aparente “unidade” do povo egípcio nas suas demandas. Já se notam as tentativas de “esvaziar” o conteúdo das exigências do povo egípcio. Os comentadores geralmente falam numa luta pela democracia, pela liberdade política, e nada mais. Diga-se, da mesma forma como se depurou a revolução de 1974 – 1975 em Portugal do seu carácter pró-socialista. Segundo a ideologia dominante, o Abril português não foi essencialmente uma luta pela emancipação dos trabalhadores e por melhor qualidade de vida. Não, foi apenas uma luta pela democracia e pela liberdade, conceitos tão abstractos e relativos na boca da burguesia. O mesmo acontece no Egipto. Ignoram a raiz material do movimento revolucionário. Esquecem-se dos mais de 40 milhões de pessoas, metade da população, que vive com menos de 50 euros por mês. Esquecem-se dos 23% de crianças com menos de 15 anos que vivem na miséria extrema, devendo-se confrontar estes exemplos com aqueloutro dos burgueses que vão a Londres e voltam no mesmo dia para cortar o cabelo ou tomar uma refeição. A origem da revolução, lá como cá, é a mesma: miséria, desigualdade e repressão. Quando as reivindicações subirem de tom, e espero que subam, e se exija à burguesia, tanto a corrupta como a menos poluta, que se afaste do poder, aí sim, a revolução assume as suas formas finais. Isto não é uma luta por “democracia”. Não é uma mera troca de um capataz bruto por outro mais meiguinho. É uma luta de morte pelo direito à habitação, comida, saúde, educação, em suma, uma vida digna. Para isso, nem Mubaraks, nem Baradeis e muito menos Obamas. Poder popular é a resposta. Como se vê, a situação tem incríveis similitudes com a portuguesa. Esperemos que, lá como cá, surja um movimento de massas e uma direcção política à altura das tarefas que se impõem.

P.S: Não deixo de esboçar um sorriso, ao relembrar que o movimento de massas foi despoletado por um grupo de bloggers e “facebookers” que convocou uma modesta manifestação espontânea no dia 25 de Janeiro, em memória de Khaled Said, assassinado pela polícia meses antes. Pois é caríssimos, eu tinha razão: os novos meios de comunicação webísticos têm um papel a cumprir na mobilização geral. Censurar um revolucionário de hoje em dia por ter blog e perfil de facebook é o mesmo que censurar um bolchevique russo do início do século XX por utilizar a rádio como forma de divulgação. Ainda que não tenha sido o elemento decisivo, a web fez mais pela revolução no Egipto que as trinta mil publicações das outras tantas Quartas Internacionais.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s