>Que venham muitos revolucionários de sofá (e os dos fetiches também)!

>

Obviamente que a minha última posta sobre o papel progressivo que a Web pode trazer aos movimentos revolucionários me rendeu algumas críticas dos “fetichistas”, a maioria derivadas de um dogmatismo cego e de um pedantismo de bradar aos céus. Enfim, adiante…

Certamente que estarão a par dos protestos no Egipto, que reivindicam a expulsão de Moubarak do governo. Realço apenas dois parágrafos da notícia:

“O movimento de oposição Juventude 6 de Abril apelou através da sua página no Facebook para que os protestos continuem hoje “e depois, até à partida de Murabak”.No serviço de microblogging Twitter, algumas mensagens têm vindo a passar nas últimas horas apelando a nova congregação no Cairo esta tarde: “São 12h31. Os protestos das universidades estão planeados para as 14h. Só então poderemos ver como o dia corre”, era escrito por um utilizador que se identifica como “draddee”. Outro, “Farrah3m”, dizia “A todos: vai haver um protesto às 14h00 no cruzamento de Medan Alhasry”.

Esta manhã, o Twitter, que foi um dos métodos usados pelos manifestantes para se organizarem ontem, revelou estar com o acesso bloqueado no Egipto. Em comunicado, a empresa, avalia, em tom crítico, que “a troca aberta de informação e opiniões beneficia as sociedades e ajuda os governos a melhor se ligarem às populações”. Os serviços de internet e telefónicos estão, de forma geral, a funcionar intermitentemente em todo o país.”

Pode não ser o factor central, mas não ver o papel benéfico que as redes sociais podem ter neste género de mobilização, é não querer vislumbrar o óbvio. Enfim, vozes de burro não chegam ao céu, e que hajam muitos “revolucionários de sofá” quando o incêndio chegar ao nosso país…

2 thoughts on “>Que venham muitos revolucionários de sofá (e os dos fetiches também)!

  1. >Para não dizer que a mensagem chega muito mais facilmente a outros países, a outras pessoas na mesma situação, para inspirar mobilizações do género um pouco por todo o mundo. Já o Público também sublinha "quase um terço da humanidade está online". Ignorar estas formas de comunicação é ignorar muita gente que prefere ou até comunica apenas desta forma, através da web, porque sabem que os restantes canais já estão bastante corrompidos…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s